Doenças da alma

” … André, meu amigo, as doenças psíquicas são muito mais deploráveis. A patogênese da alma está dividida em quadros dolorosos. A cólera, a intemperança, os desvarios do sexo, as viciações de vários matizes, formam criações inferiores que afetam profundamente a vida íntima. Quase sempre o corpo doente assinala a mente enfermiça. A organização fisiológica, segundo conhecemos no campo de cogitações terrestres, não vai além do vaso de barro, dentro do molde preexistente do corpo espiritual. Atingido o molde em sua estrutura pelos golpes das vibrações inferiores, o vaso refletirá imediatamente.” (Missionários da Luz – André Luiz)

__ Não discutiremos aqui as moléstias físicas prôpriamente ditas. Quem acompanha, como nós, desde muito tempo, o ministério dos psiquiatras verdadeiramente consagrados ao bem do próximo, conhece, à saciedade, que todos os títulos de gratidão humana permanecem inexpressivos ante o apostolado de um Paul Broca, que identificou a enfermidade do centro da palavra, ou de um Wagner Jauregg, que se dedicou à cura da paralisia, em perseguição ao espiroqueta da sífilis, até encontrá-lo no recesso da matéria cinzenta, perturbando as zonas motoras.

Diante de fenômenos como estes, é compreensível a quebra da harmonia cerebral em consequência de compulsoriamente se arredarem das aglutinações celulares do campo fisiológico os princípios do corpo perispiritual; essas aglutinações ficam, então, desordenadas em sua estrutura e atividades normais, qual acontece ao violino incapacitado para a execução perfeita dum trecho melódico, por trazer uma ou duas cordas desafinadas.

Não devemos, nem podemos ignorar as leis que regem os domínios da forma… Daí a impossibilidade de querermos «psicologia equilibrada» sem «fisiologia harmoniosa», na esfera da ciência humana: isto é caso pacífico.

Referir-nos-emos tão só às manifestações espirituais em sua essência. Indagas se a mente desencarnada pode adoecer… Que pergunta! cuidas que a maldade deliberada não seja moléstia da alma? que o ódio não constitua morbo terrível? supões, porventura, não haja «vermes mentais» da tristeza e da inconformação? (No mundo maior – André Luiz)

“Os “complexos de inferioridade”, o “recalque”, a “libido”, as “emersões do subconsciente” não constituem fatores adquiridos no curto espaço de uma existência terrestre e, sim, característicos da personalidade egressa das experiências passadas.

A subconsciência é, de fato, o porão dilatado de nossas lembranças, o repositório das emoções e desejos, impulsos e tendências que não se projetaram na tela das realizações imediatas; no entanto, estende-se muito além da zona limitada de tempo em que se move um aparelho físico.

Representa a estratificação de todas as lutas com as aquisições mentais e emotivas que lhes foram conseqüentes, depois da utilização de vários corpos.” (Obreiros da Vida Eterna – André Luiz)

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on Pinterest

Vilma Cândida

Vilma Cândida é professora aposentada e blogueira. Formação em Pedagogia pela Unesp, com Pós Graduação em Psicopedagogia e Pós Graduação em Terapias Alternativas pela UNIFRAN de Franca. [Saber mais] [Redes Sociais] [Cantinho da luz]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *